Comunicação - Notícias

Sou candidato a deputado estadual, e agora?

Comunicação - Mandato Toninho Vespoli | 30/07/2018 - 10:47
Estou abandonando o cargo de vereador? Lógico que não! Respondi alguns questionamentos sobre minha candidatura.

Sou candidato a deputado estadual pelo PSOL e tenho recebido muitos questionamentos sobre essa decisão. Amigos, professores, servidores públicos, quadro de apoio, militantes da cultura e diversos munícipes que têm acompanhado meu trabalho ao longo desses seis anos querem saber como serão as coisas se caso eu seja eleito. Sem desespero, amigos! Respondi alguns pontos para vocês no texto abaixo.

1 – Por que quero ser deputado estadual?

O momento atual do país pede de cada um de nós mais coragem , compromisso e responsabilidades. Sou vereador há mais de seis anos e com isso acumulei muita experiência . Em diálogo constante com os setores populares, enfrentei duras batalhas para que a venda da cidade não fosse adiante na Câmara Municipal,nem o desmonte das políticas públicas e o ataque ao funcionalismo e profissionais de educação. Coerente com um projeto de uma São Paulo mais humana, apresentei diversas iniciativas e fiz o enfrentamento necessária para defesa do interesse da população frente   a Prefeitura em meus dois mandatos.

Toda essa bagagem de trabalho e de aprendizado,  me fizeram acreditar que é hora de levar esse enfrentamento para outro espaço:  Assembleia Legislativa de São Paulo. Ao longo desses anos, a ALESP foi e é um puxadinho do Palácio dos Bandeirantes, servindo  simplesmente como uma casa de despacho do executivo estadual. É preciso reverter essa lógica, aumentando a bancada do PSOL e abrindo aquela Casa à participação popular.

2 – Para me candidatar, vou abandonar o cargo de vereador?

Não. Muita gente pode ter associado as saídas de João Doria (PSDB) e Geraldo Alckmin (PSDB) da Prefeitura e do Governo Estadual, respectivamente, com a minha candidatura. A legislação eleitoral nesse caso são diferentes entre os cargos executivos (prefeito, governador) e os legislativos (vereador, deputado, senador).  Um parlamentar não precisa deixar o cargo para se candidatar a qualquer outro cargo. A regra só vale somente para quem ocupa cargo executivo. Logo, estarei vereador durante a campanha eleitoral, sem precisar me afastar. Caso eu seja eleito, serei deputado estadual.

3 – Se eu me eleger, quem assumirá?

Precisamos lembrar que os compromissos e as batalhas que travei na Câmara Municipal de São Paulo são compromissos partidários e não apenas pessoais. Logo quem assumir terá que cumprir a mesma agenda de luta pela educação pública gratuita e de qualidade, saúde para todos, garantia dos direitos dos servidores e servidoras públicos, defesa da cultura popular e periférica, de um transporte público que sirva a população e todas as nossas bandeiras.  Quem assumirá a minha cadeira serão os atuais suplentes a primeira suplente Isa Penna , o segundo suplente Celso Giannazzi e assim por diante.

4 – O senhor se elegeu vereador e agora vai sair candidato a deputado, isso não é trair seus eleitores?

Entendo o sentimento de alguns eleitores e amigos e recebo esse questionamento de coração aberto. Porém, proponho uma reflexão: ao ser eleito vereador, em 2016, para o meu segundo mandato, pedi o voto de confiança de meus eleitores para fazer o necessário enfrentamento na Câmara Municipal. Ao longo desse um ano e sete meses abri meu gabinete, me coloquei como um dos principais defensores da educação, dos servidores públicos, contra a venda da cidade, contra o fechamento de farmácias nas UBS e mais uma dezena de pautas.  Todos esses enfrentamentos, todas essas lutas e as dezenas de conversas feitas com munícipes e lideranças de diversos movimentos, senti a necessidade de avançar nesse trabalho e levá-lo para a Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP). O eleitor está desesperançoso com a política, o trabalho que tenho feito na Câmara Municipal é um grande motivo para alegrar e convencer as pessoas de que não estou traindo aqueles que votaram em mim para vereador, mas sim vou honrar os votos deles e os que ainda receberei para a Alesp e fazer o mesmo trabalho e enfrentamento no estado de São Paulo para ajudar a melhorar e transformar nosso estado.

Temos que abrir a caixa preta que é a Assembleia Legislativa e enfrentar o tucanato na esfera estadual como fazemos na esfera municipal! É urgente aumentar a bancada combativa  do PSOL na ALESP e confrontar os desmandos desses mais de vinte anos do tucanato, pródigo no desmonte de várias políticas públicas, em especial, com os ataques a educação. Os tucanos sucatearam o ensino médio, precarizaram o funcionalismo  e a carreira dos profissionais da educação, da saúde pública. Aliás, terceirizaram completamente a política de cultura. Eu reforço que as lutas que enfrentamos na Câmara não é uma decisão pessoal, mas é opção política do PSOL e estrutural a nossa bancada.   

4 – “Quero ajudar na campanha do Toninho, o que faço?”
Há diversas formas de você ajudar na minha candidatura para deputado estadual. Pelas redes, em casa e nas ruas.  Acesse esse link ( http://www.toninhovespoli.com.br/militante/ ), saiba mais como participar. Cadastre-se:

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Participa de algum movimento/entidade/grupo, informe qual e o que faz (coordenador, militante, etc)

 

Toninho.


Seja o primeiro a comentar sobre esse artigo


Deixe seu comentário

Powered by WordPress | Designed by: Free Premium WordPress Themes | Thanks to WordPress Themes, Premium WordPress Themes and WordPress 4 Themes